Monday, December 19, 2005

DO NATAL


Quando a manhã chegava iniciava-se um dos dias mais encantatórios das nossas vidas, que naquele tempo era eterna e duma leveza jamais imaginada. Tinha mais luminosidade do que a do sonho e tudo assumia um matiz alucinatório. Era o tempo do frio, das poças de água congelada pelas noites frias, da humidade pendente das folhas das plantas e arvores, da erva molhada ao longo dos carreiros que percorríamos. Mas até isso impregnava a nossa tarefa de alegria e aventura e emprestava magia ao frio nos pés e às pontas adormecidas dos nossos dedos de crianças. A realidade ficava pequena na exuberância do sonho que vivíamos e o mundo era imenso de mistério e de encantamento. Despegávamos o musgo das paredes com o desvelo das tarefas mais importantes da vida, cuidando de deixar tal e qual como o musgo crescia, com outras folhas que por vezes o enfeitavam. E via no rosto dos meus irmãos a mesmo empenhamento e a mesma felicidade, nesta tarefa de exaltação da vida. Vivíamos o nosso afazer como a coisa mais importante do mundo e o maravilhoso espelhava-se nos nossos olhos. Depois era preciso o azevinho com as suas folhas verdes, do verde autêntico como nenhum outro, do único verde verdadeiro que me ficou nos olhos. E reparaste nas incríveis curvaturas das folhas do azevinho, como se fosse possível algumas mãos alguma vez desenharem aquela leveza e suavidade. Não, nunca dei fé que o azevinho tivesse picos mas extremidades finíssimas, onde as suas curvaturas se fundiam, num encontro simplesmente imaginado. E as suas bolas vermelhas, as que deram origem a todos os vermelhos do mundo, porque todos os outros eram matizes deste, eram feitas de uma matéria inventada de beleza, pelo aveludado da sua transparência e pelo brilho que reflectiam nos nossos olhos.
Depois calcorreávamos triunfantes os carreiros que ziguezagueavam os campos verdes, como se caminhássemos nós próprios sobre o verdadeiro presépio da nossa vida.

3 Comments:

Blogger Cris said...

que presépio lindo...
Um beijo e que 2006 te traga tudo de bom!

5:28 PM  
Blogger Aromas Do Mar said...

Então reabre-se e nem se faz inauguração, nem se comunica o nascimento? Ai ai ai

Sê bem vindo, gosto de te sentir por aqui.

Beijos da Lina/Mar Revolto

7:08 AM  
Blogger Yardbird said...

Caro Amigo, um Ano de 2006 muito auspicioso para ti, muita saúde e carinho dos que te são queridos
Um abraço

7:29 AM  

Post a Comment

<< Home